Autores

Evangelina Vormittag, Samirys Rodrigues, Hélio Wicher Neto e Paulo Saldiva.

Artigo publicado no periódico Estudos Avançados do IEA-USP, 35(102).

Resumo

Este artigo descreve as condições atuais da rede de monitoramento de qualidade do ar no Brasil. Os resultados revelam que apenas dez estados e o DF realizam o monitoramento através de 371 estações ativas – 80% delas na Região Sudeste. Outras informações relevantes são: (i) 41,2% das estações nacionais são privadas; no estado do Rio de Janeiro elas representam 60% do total de suas estações, enquanto no estado de São Paulo, 100% das estações são públicas; (ii) o MP10 é o poluente mais monitorado em 62,8% das estações e o MP2,5 em apenas 25,9% delas; e, (iii) a comunicação dos dados
de monitoramento em tempo real à população ocorre em cinco estados. Após trinta anos de sua criação, a Rede Nacional de Qualidade do Ar encontra-se incompleta, e insuficientemente implantada, inviabilizando uma adequada gestão da qualidade do ar pelos órgãos ambientais.

Palavras-chave: Qualidade do ar, Poluição do ar, Monitoramento, Meio Ambiente, Brasil.