62% dos entrevistados afirmaram ter ou já ter tido alguma doença devido à má qualidade do ar

O Dia Mundial Sem Carro foi marcado pelo lançamento da Pesquisa sobre Mobilidade Urbana, realizada pela Rede Nossa São Paulo com a FecomércioSP. Na terça-feira (22) foram divulgados diversos dados relacionados ao transporte em São Paulo e à percepção dos habitantes da capital quanto aos meios de deslocamento. A pesquisa está em sua 9ª edição, o que permite que dados de 2015 sejam comparados com informações coletadas desde 2007.

Neste ano, um dos índices mais surpreendentes foi a resposta de 83% dos entrevistados que “com certeza deixaria” ou “provavelmente deixaria” de usar o carro caso houvesse uma boa alternativa de transporte. Em 2014, a mesma opção foi escolhida por 65% dos paulistanos.

Os efeitos do modelo de mobilidade de São Paulo foram abordados na pesquisa, e entre eles a degradação do ar foi considerada o mais grave tipo de poluição por 59% das pessoas abordadas. As consequências da má qualidade do ar são percebidas por um índice ainda maior de entrevistados – 62% apontaram ter ou já ter tido problemas de saúde relacionados a esta poluição na cidade. A pesquisa em sua íntegra pode ser encontrar no link.

A diretora e fundadora do Instituto Saúde e Sustentabilidade, Evangelina Vormittag, esteve no lançamento para apontar as consequências da poluição na qualidade de vida dos moradores de centros urbanos, além de participar do debate sobre outros temas ligados à mobilidade, mediado por Carlos Aranha, do Grupo de Trabalho Mobilidade Urbana da Rede Nossa São Paulo.

Alexandre Padilha, secretário municipal de Sáude; Maurício Broinizi, coordenador da Secretaria Executiva da Rede Nossa São Paulo; Jilmar Tatto, secretário municipal de Transportes; Marcelo Pereira Bales, gerente do Setor de Avaliação de Emissões Veiculares da CETESB e Jakow Grajew, especialista em trânsito, também estavam presentes no evento. . O secretário de Saúde não pôde participar da discussão e foi substituído por Ruy Paulo Nunes, médico da Coordenação de Vigilância de Saúde.