O Diário de S. Paulo revelou a pesquisa realizada pela inciativa “Busão dos sonhos” e representante da Rede Nossa São Paulo apontou três principais falhas na nova licitação do serviço de transporte na capital

O edital de licitação que irá escolher o novo modelo de ônibus na cidade de São Paulo ficou aberto para consulta pública até o dia 31 de agosto. Com prazo de 20 anos de concessão, e mais 20 anos de prorrogação, a licitação incentivou a criação da pesquisa “Busão nos sonhos” para descobrir o que o usuário de ônibus em São Paulo espera do serviço.

Com a matéria “O ônibus dos sonhos” o jornal O Diário de S. Paulo publicou alguns dos resultados do questionário e entrevistou paulistanos. As solicitações mais comuns pediam ar condicionado, wi-fi e tomada nos ônibus, o uso de combustíveis limpos e mais informações sobre as linhas nos pontos e terminais.

O coordenador do grupo de trabalho de mobilidade urbana da Rede Nossa São Paulo, Carlos Aranha, expôs ao jornal sua opinião sobre as falhas da nova licitação. A primeira deficiência apontada foi o descumprimento da lei municipal que tem como meta até 2018 ter todos os ônibus na cidade circulando com combustíveis não poluentes. Em seguida, a falta de integração entre ônibus e bicicleta não foi abordada pelo edital. Por fim, Aranha questionou a fórmula de repasse de verba da Prefeitura para as empresas que vencerem a licitação. Segundo o coordenador, a avaliação do usuário do transporte não entrará na conta na hora de repartir a verba às operadoras.

Confira a matéria na íntegra para saber mais detalhes.