No último dia 17 de agosto, o Instituto Saúde e Sustentabilidade esteve na Câmara Municipal de São Paulo para falar sobre poluição do ar e saúde humana.

A pauta fez parte da agenda da Comissão Extraordinária Permanente do Meio Ambiente. Dentre as funções da Comissão presidida pelo vereador Gilberto Natalini, está a de apresentar propostas de aperfeiçoamento de políticas públicas voltadas ao meio ambiente. Para saber mais sobre a Comissão, clique aqui.

A mesa presidida pela vereadora Marta Costa contou com duas aulas técnicas. Além de integrantes do legislativo municipal, estavam presentes representantes da sociedade civil, todos muito interessados no assunto e repletos de perguntas. O encontro foi transmitido ao vivo para a TV Câmara.

Representando o Instituto Saúde e Sustentabilidade, Flavio Vormittag, Conselheiro Consultivo do Instituto, abordou o viver nas metrópoles e a saúde humana. Flávio enfatizou medidas propositivas que teriam impacto direto na melhoria da saúde dos moradores de cidades como a reciclagem do lixo e o incentivo do transporte ativo. “Ir a pé desafoga os intermináveis congestionamentos e tem um efeito colateral muito interessante: atua no combate à obesidade” brinca o médico. Recuperar áreas verdes nos bairros e evitar o desperdício de água também foram sugeridas como ações muito benéficas para a saúde das pessoas.

Luiz Cortez, arquiteto urbanista do Metrô de São Paulo falou aos presentes sobre mobilidade sustentável. Com uma apresentação rica em dados, Cortez enfatizou a necessidade de avaliarmos os custos de cada modal de transporte de uma maneira mais ampla. “À primeira vista a moto pode parecer hoje a opção mais barata de transporte. Entretanto, quando contabilizamos os prejuízos ambientais e para a saúde desse meio de transporte, como a quantidade e a letalidade dos acidentes, a emissão de poluentes e de ruído produzido por motocicletas, a conta sai cara demais.”disse. Cortez já colaborou em diversos documentos técnicos do Instituto, incluindo o livro Maio ambiente e Saúde: o Desafio das Metrópoles.

Discutir saúde humana numa Comissão de Meio Ambiente no nível municipal é definitivamente um avanço no combate a poluição da cidade e de outros problemas que igualmente afetam a saúde de seus moradores, afirma Evangelina Vormittag, diretora presidente do Instituto Saúde e Sustentabilidade.