Calor excessivo proporciona crises respiratórias, desconforto, desidratação,  dentre outros transtornos

Desde o início de 2014 os termômetros das duas maiores cidades do país registraram altos índices de temperatura. São Paulo chegou a 36,4°C no inicio de fevereiro, já no Rio de Janeiro, o calor foi ainda mais impactante, com 40,8°C. Mas como apaziguar os males causados pelo calor, associado à piora do ar em todas as cidades? O Instituto Saúde e Sustentabilidade, alerta para algumas atitudes simples que podem fazer a diferença no cotidiano em situações de calor, pouca chuva e a umidade relativa do ar abaixo do ideal.

“Poucas pessoas sabem, mas o acúmulo de poluentes também é razão de tempo seco e de altas temperaturas, por isso é muito importante promover beber muita água, e seguir um horário ideal para praticar exercícios físicos, de preferência com pouca exposição solar”, ressaltou Evangelina Vormittag, diretora presidente do Instituto. Como conciliar um mínimo de conforto ao calor excessivo e a diminuição da exposição à poluição nestes dias muito quentes?

De acordo com uma pesquisa apresentada em 2013 pelo Saúde e Sustentabilidade, todas as cidades do Estado de São Paulo têm níveis de poluição acima dos preconizados pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O estudo utilizou como base a análise do poluente PM 2,5 (material particulado), comparados aos níveis considerados seguros pela OMS, para levantar dados de adoecimento, mortalidade e gastos públicos atribuídos à poluição. “No corpo humano, essa partícula tem efeitos causadores de doenças respiratórias, doenças isquêmicas cardiovasculares e cerebrovasculares e câncer de pulmão”, completou Vormittag.

A médica reforça ainda que o material particulado, substâncias sólidas e líquidas em suspensão no ar, conhecido como poeira fina, provenientes da queima de combustíveis fósseis, diesel, indústrias, queima de biomassa, em tempo de pouca chuva e secura, diminui sua dispersão, e aumenta sua ressuspensão, piorando os seus níveis na atmosfera. As temperaturas muito quentes aumentam a produção de ozônio, um poluente secundário, formado a partir da luz solar. Onde há menos sombra, há mais ozônio.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, quando o ar está seco, o volume de inalações cresce em até 30%, com picos de 50% a mais do que o comum. O Saúde e Sustentabilidade aponta algumas dicas importantes para vencer o calor com mais saúde, confira:

  • Tome de 6 a 8 copos de água por dia, mantenha-se hidratado;
  • Use filtro solar e hidratante no cuidado com a pele;
  • Evite exposição ao sol no período do dia das 10 às 16 horas;
  • Exercite-se pela manhã e no final da tarde;
  • Evite exercício físico ao ar livre e nos parques;
  • Evite exercício físico próximo às ruas e avenidas com tráfego;
  • Mantenha janelas fechadas durante o dia e abertas durante a noite;
  • Manter a umidade dentro de casa com uma vasilha com água ou toalha molhada;
  • Manter ventiladores e ar condicionados limpos;
  • Alimente-se bem, prefira refeições leves, balanceadas, naturais e de 3 em 3 horas;
  • Tenha cuidado com alimentos preparados e expostos à temperatura ambiente;
  • Evite bebidas alcoólicas;
  • Tome banhos rápidos e com água morna similar à temperatura do corpo;
  • Use roupas claras, leves e confortáveis, inclusive em ambientes de trabalho;
  • Use transporte público e compartilhado;
  • Durma pelo menos 7 horas por noite.