Você já parou para pensar como seu filho entende o que você diz? Será que o significado das palavras é o mesmo para todos nós? Teoricamente sim, mas na prática é diferente; dependendo do ouvinte, contexto, situação, entonação e expressão facial as mesmas palavras podem significar coisas bem diferentes. Quanto mais novas as crianças, mas difícil supor ou prever intenções alheias. Colocar-se no lugar do outro, imaginar o que ele possa estar sentindo e inferir ações, a partir dessa observação, é uma habilidade complexa que se desenvolve ao longo do tempo. Portanto, se você disser para seu filho “estou muito feliz com o resultado que obteve” e sua expressão facial e entonação de fala estiverem mostrando o contrário (na verdade você esperava resultado melhor), a criança capta a expressão de seu rosto e as palavras perdem o valor positivo.

Comunicação positiva envolve escuta e expressão facial coerente, além da fala propriamente dita. Portanto, esteja atento ao que seu filho fala ou tenta dizer através de seu comportamento. Atenção à linguagem corporal, isto é, permita que seu corpo expresse interesse por ele, por exemplo, olhando nos olhos, sentando à sua frente, evitando olhar para outros lugares ou desviar a atenção da conversa. Nunca coloque a culpa na criança, por exemplo, “você esta me deixando triste”…prefira dizer “estou preocupada com esse comportamento”…ou “estou me sentindo mal com essa atitude”. Se durante a conversa a criança grita, chora ou esperneia, diga que vocês só vão conseguir conversar quando ela se acalmar. A comunicação positiva ocorre quando as duas pessoas estão calmas e a culpa não esta direcionada a nenhuma das partes. É importante falar de forma clara e firme, sem agressividade ou acusação.

Ter tempo é fundamental, mostre disposição para ouvir e orientar seu filho. Sem dúvida, atualmente, um grande desafio para os pais que vivem correndo e atarefados com tantos compromissos. Porém, da mesma forma que encontramos tempo para terminar um trabalho, montar uma aula ou preparar um jantar, devemos reservar algum para escutar nossos filhos. É compromisso que assumimos a longo prazo, mas com data de validade! Depois de alguns anos sem comunicação adequada e limites claros com os filhos, a relação fica abalada, e revertê-la se torna bem mais difícil!

Verbalizar seus sentimentos é importante, seu filho esta o tempo todo aprendendo com você, com seu comportamento. Ensinar-lhes a perceber, interpretar, nomear e expressar sentimentos e emoções, desenvolve sua capacidade de compreendê-las e controlá-las, possibilitando autoconhecimento e relacionamentos saudáveis. Essas habilidades que chamamos de inteligência emocional, começam a se desenvolver muito cedo na dinâmica da família. A “educação emocional” é tão importante quanto a acadêmica,  refletindo-se nos relacionamentos sociais, na capacidade de tolerância e resiliência. E neste caso, a escola é a própria família! Por isso, somos responsáveis por ensiná-la e exercitá-la todos os dias. Aceite e respeite os sentimentos de seus filhos, todos são legítimos. No entanto, as regras precisam ser claras como, por exemplo, a criança pode sentir raiva mas não pode xingar ou bater. Da próxima vez que seu filho mostrar raiva ou tristeza sente para conversar com ele!

Dicas para a comunicação positiva:

1. Comece as frases com “eu”; “eu queria que você arrumasse seu quarto agora” ao invés de dizer “você é um bagunceiro! Arrume esse quarto agora!”

2. Acentue sempre o lado positivo; valorize, elogie, recompense e mostre entusiasmo; “Você é ótimo”, “gosto quando ajuda sua irmã”, “adoro quando você me ajuda”, “eu te amo”, “você acertou nas cores do desenho”, etc…

3. Peça desculpas quando necessário

4. Diga “obrigada” e “por favor” para seus filhos

5. Para colocar uma regra ou um pedido inegociável com firmeza: olhe diretamente em seus olhos, fale a mensagem com clareza e supervisione se o combinado foi cumprido.

No próximo artigo, você vai saber como se ENVOLVER de verdade na vida do seu filho… sem perder o controle!

Referências e para saber mais:

“Eduque com carinho” Equilíbrio entre amor e limites. Lidia Weber. Editora Juruá.

OSLC- Oregon Social Learning Center – http://www.oslc.org/

http://www.ehow.com/way_5315393_positive-communication-techniques.html

http://www.ippanetwork.org/Home